close
4_Fins_Missa-rest-mn

Vigário Paroquial Padre Roberto Aparecido de Sousa

O que é Santa Missa? Tem alguma diferença a Celebração da Palavra? De forma tradicional e bastante simplificada podemos responder a esta pergunta tão presente cada vez mais no meio católico.

Santa Missa: “é a renovação do sacrifício de Cristo da Cruz, de maneira incruenta”; desta forma respondemos a primeira pergunta e mais a frente, antes de terminar esta leitura será possível descobrir a diferença entre um e outro. Interessante perceber esta palavra “renovação”. Ao observá-la, percebemos que não é um outro sacrifício, mas a renovação do mesmo sacrifício. Oferecido por Cristo na Cruz a quase 2000 anos. Ou seja, Cristo não morre outra vez na cruz, mas se torna presente e faz deste sacrifício, oferecido pelo sacerdote que age “in persona capitas”, o mesmo sacrifício. Esta expressão em latim quer dizer que é sempre Cristo quem age, sendo o homem apenas um instrumento. Da mesma maneira como em todos os Sacramentos da Igreja, quem consagra é Cristo, por meio do sacerdote. O sujeito da ação sagrada é Cristo, a divina Pessoa que reúne em Si o Céu e a Terra.

Outra palavra bastante interessante nesta frase, que dá a definição de Santa Missa é “incruenta” na verdade este aposto “de maneira incruenta”. Há quase 2000 anos atrás este mesmo sacrifício foi oferecido por Cristo na Cruz de maneira cruenta, ou seja, com dor, com sofrimento, com derramamento de sangue. Hoje, ao vermos este mesmo sacrifício não vemos dor, nem sofrimento, nem derramamento de sangue. Mas é o mesmo sacrifício. Portanto, depois que o Concílio Vaticano II, a partir de um convite de uma Igreja Ministerial, e na ausência de muitos sacerdotes que cuidam da vida de comunidades cristãs em diversas partes do nosso mundo, a celebração da Palavra voltou a ser inserida para que o povo de Deus não ficasse privado nem da meditação da Palavra de Deus e nem da comunhão, previamente consagrada em uma Santa Missa.

No entanto, quem pode presidir a Celebração da Palavra? Não devemos confundir a Celebração da Palavra, mesmo com a distribuição da Comunhão, ou com a Santa Missa. Sendo assim, existem diferenças marcantes entre as duas celebrações. Na celebração da Palavra, primeiro, há a ausência de um sacerdote, ou de um bispo, que são ministros ordinários para presidir o santo sacrifício da missa. A Celebração da Palavra é presidida por um leigo, ministro extraordinário e ministros ordenados, os diáconos, devidamente preparado para presidir a celebração àquela comunidade. Então, como é composta a Celebração da Palavra?

Interessante percebermos que para a essência da Santa Missa duas grandes partes se fazem necessárias: Liturgia da Palavra e Liturgia Eucarística. Liturgia da Palavra é composta por duas Leituras (Domingos e Solenidades), Salmo Responsorial, Aclamação ao Evangelho, Proclamação do Evangelho, Credo (Domingos e Solenidades) e Preces. Esta é a essência da Liturgia da Palavra. Liturgia Eucarística é composta basicamente por: Apresentação das oferendas, Prefácio, Oração Eucarística, Sanctus, Narrativa da Instituição, Rito da Comunhão (Pai Nosso, Embolismo, Oração pela Paz, Cordeiro de Deus, Apresentação, Comunhão Eucarística, Ação de Graças e Oração de Pós-Comunhão). Esta é a essência da Liturgia Eucarística. Uma observação muito importante: para que haja Santa Missa, é necessário que se tenha essas duas grandes partes!

Aqui chegamos à diferença entre Santa Missa e Celebração da Palavra. Iniciamos pelo termo correto e, daí já percebemos a semelhança, porém, também a grande diferença “Celebração da Palavra com distribuição da Eucaristia”. Que é composta da Liturgia da Palavra e uma pequena parte da Liturgia Eucarística, a saber: Oração do Pai Nosso, Apresentação (Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo…), Comunhão Eucarística, Ação de Graças e Oração Pós-Comunhão. Interessante ter consciência de que há pequenos e por vezes despercebidos elementos que fazem total diferença entre um e outro.

Por fim, podemos concluir que há não só diferença entre Santa Missa e Celebração da Palavra, com distribuição da Eucaristia, mas também o essencial entre um e outro. Ou seja, na Santa Missa há oferta, há uma vítima que se entrega, há o sacrifício, ou melhor, a renovação “do Sacrifício”, fato esse que não se faz presente numa Celebração da Palavra. Deus nos dê a graça de desejar ardentemente a boa participação em cada momento de cada Santa Missa!

Tags : artigoartigo e formacaoartigosformacaoformacoesigrejaPrincipal

Leave a Response